“Abismada no meu profundo nada de misérias e pecados, aos pés do SSmo. Ternário, de meu Pai S. Francisco e da minha mãe Sta. Clara e de todos os meus santos protetores, renovo de coração meus propósitos”

6ª-FEIRA DA 7ª SEMANA – TEMPO COMUM 25/05

No evangelho de hoje, Jesus foi para o território da Judéia, do outro lado do rio Jordão. As multidões se reuniram de novo, em torno de Jesus. E ele, como de costume, as ensinava. Alguns fariseus se aproximaram de Jesus. Para pô-lo à prova, perguntaram se era permitido ao homem divorciar-se de sua mulher. Jesus perguntou: ‘O que Moisés vos ordenou?’ Os fariseus responderam: ‘Moisés permitiu escrever uma certidão de divórcio e despedi-la’. Jesus então disse: ‘Foi por causa da dureza do vosso coração que Moisés vos escreveu este mandamento. No entanto, desde o começo da criação, Deus os fez homem e mulher. Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e os dois serão uma só carne. Assim, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe!’ Em casa, os discípulos fizeram, novamente, perguntas sobre o mesmo assunto. Jesus respondeu: ‘Quem se divorciar de sua mulher e casar com outra, cometerá adultério contra a primeira. E se a mulher se divorciar de seu marido e casar com outro, cometerá adultério.’ Beata Catarina Troiani conhecia toda a palavra e sempre tentava passar a todos que perguntavam os pensamentos fiéis que seu dileto esposo espalhava pelos lugares por onde passava. E as crianças que ela acolhia depois de resgatada do abandono, ela juntamente com as irmãs, além de acolher e cuidar, ainda repassavam a educação e ensinamentos de Cristo tentando resgatar principalmente a alma das pequeninas que já estava toda machucada apenas pela dor e violência vivenciados. Porque como sabemos muitas coisas acontecem no dia a dia, mas a maioria delas deveria acontecer diferente. Casais se separam, mas pai e mãe nunca e existem muitos pais e mães que não entendem verdadeiramente essa palavra ou apenas querem acreditar naquilo que fazem e não no que realmente deveria ser feito.

Madre Catarina Troiani