Bem-aventurada Lucia de Caltagirone

25Virgem religiosa da Terceira Ordem Regular (1360-1400). Leão X concedeu ofício e missa em sua honra no dia 4 de junho de 1514.

Lúcia nasceu em Caltagirone, na Sicília, por volta de 1360. Seus pais a educaram na piedade e ela sabia maravilhosamente corresponder às suas expectativas. Eles eram devotos de São Nicolau de Bari e experimentaram várias vezes sua proteção. Um dia, Lucia subiu a uma figueira para colher frutas e foi pega de surpresa por uma forte tempestade com granizos e relâmpagos. Um raio atingiu a árvore onde Lúcia estava, derrubando-a ao chão quase morta. Em sua mente, ela viu a figura de um santo ancião, São Nicolau de Bari, que a tomou pela mão e a entregou de volta para a família.

Aos 13 anos, ela deixou sua cidade natal, na Sicília, para seguir a uma piedosa terceira franciscana em Salerno. Logo depois que esta guia espiritual morreu, Lúcia entrou para um convento das irmãs de Salerno, que seguiam a Regra franciscana.

Ali se distinguiu pela fiel prática de suas funções e em especial pelo amor à penitência, que havia se comprometido para expiar os pecados da humanidade e, sobretudo, por uma participação mais íntima nos sofrimentos de Cristo. Por algum tempo, ela exerceu o cargo de mestra de noviças. A fama de suas virtudes se espalhou. Muitos recorreram a ela para pedir orações e conselhos. Ela passou muito tempo em oração, meditação e contemplação nas coisas celestiais.

Muitas vezes, a terra nua serviu como uma cama, um pouco de pão e água era o seu sustento. Os nobres vinham a ela, e ela consolava os aflitos, chamava à penitência os pecadores, edificava os piedosos. Deus confirmou com prodígios sua santidade.

Tinha alcançado 40 anos e estava pronta para o céu. Sua vida austera, sofrimentos prolongados e dolorosos minaram sua saúde. A convite do noivo celestial, a sua alma alegre voou para o céu em 1400. Após sua morte, operou muitos prodígios. O culto e a veneração a ela sempre cresceram não só em meio ao povo salernitano, mas nas regiões vizinhas até que o Papa Leão X, em 4 de junho de 1514, em sua homenagem, concedeu ofício e missa.

Fonte: “Santos Franciscanos para cada dia”, Ed. Porziuncola.