NOS PASSOS DE FRANCISCO

tema: CHAMADO À MISSÃO
PORCIÚNCULA NA ESCUTA DA PALAVRA DE DEUS Mt.10,1.5-10
Jesus chamou os seus doze discípulos e lhes deu autoridade para expulsar espíritos maus e curar todas as enfermidades e doenças graves. Jesus enviou esses doze homens, dando-lhes a seguinte ordem: — Não vão aos lugares onde vivem os não judeus, nem entrem nas cidades dos samaritanos.
Pelo contrário, procurem as ovelhas perdidas do povo de Israel. Vão e anunciem isto: “O Reino do Céu está perto.” Curem os leprosos e outros doentes, ressuscitem os mortos e expulsem os demônios. Vocês receberam sem pagar; portanto, deem sem cobrar. Não levem guardados no cinto nem ouro, nem prata, nem moedas de cobre. Nesta viagem não levem sacola, nem uma túnica a mais, nem sandálias, nem bengala para se apoiar, pois o trabalhador tem o direito de receber o que precisa para viver.

CONHECER FRANCISCO
Este lugar já tinha uma capela antes de 1054. Bulas papais comprovam um primitivo movimento de presença beneditina. Suas paredes trazem marcas do século X. Francisco chega ali no século XIII, em 1207, e encontra escombros e abandono. Ganha o cuidado do lugar dos irmãos beneditinos que estavam no monte Subásio. Depois chegam seus primeiros companheiros. Nasce a Fraternitas!
Caminhando pela grande Basílica papal que acoberta a Porciúncula; mais uma vez, a pequenez revelando a grandiosidade do mistério. “Esta é a porta da vida eterna”. Nas pedras, fundimos com o despojamento do lugar. Na parede, o túmulo de Pedro Cattani, o primeiro Ministro Geral da Ordem. Aqui, a simplicidade tem mística, estética e rito. Atrás, o local onde morre Francisco. O Rosetto, um jardim de rosas sem espinhos, pombas guardiãs e a capela das rosas.

REFLEXÃO
Francisco nos dá ensinamentos sobre a forma de acolher o Evangelho, sobre a humildade para saber escutar a outros que, certamente possuem mais do que nós o Espírito do Senhor, sobre o âmbito dentro do qual devemos fazer “a leitura do Evangelho”.
A Porciúncula é o “Santuário da Missão”. Daqui Francisco enviava seus irmãos a pregar e para cá regressavam para fortalecer-se no encontro fraterno e na oração. Isto deve-nos levar a fazer uma reflexão e revisão profundas sobre o significado que damos a nossa vida como vida claustral, fechada sobre si mesma, preocupara com os excessos internos e esquecida em seu papel fundamental na construção do Reino de Deus, de costas a realidade e ao povo de Deus. O estudo das fontes deve levar-nos a redescobrir hoje a identidade de nossa vida franciscana como uma Fraternidade em Missão.

ORAÇÃO
Nós vos adoramos, Santíssimo Senhor Jesus Cristo, aqui e em todas as vossas igrejas que estão no mundo inteiro e vos bendizemos, porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.