“Vós, minha querida Mãe Imaculada bem o sabeis. Dentro de vossos corações, ó Santíssimo Ternário Jesus, Maria e José, ponho os meu propósitos e os de todas as vossas diletas filhas”

2ª-FEIRA DA 7ª SEMANA –TEMPO COMUM  21/05

Descendo Jesus do monte com Pedro, Tiago e João e chegando perto dos outros discípulos, viram que estavam rodeados por uma grande multidão. Alguns mestres da Lei estavam discutindo com eles. Logo que a multidão viu Jesus, ficou surpresa e correu para saudá-lo. Jesus perguntou aos discípulos: ‘O que discutis com eles?’ Alguém da multidão respondeu: ‘Mestre, eu trouxe a ti meu filho que tem um espírito mudo. Cada vez que o espírito o ataca, joga-o no chão e ele começa a espumar, range os dentes e fica completamente rijo. Eu pedi aos teus discípulos para expulsarem o espírito. Mas eles não conseguiram.’ Jesus disse:’Ó geração incrédula! Até quando estarei convosco? Até quando terei que suportar-vos? Trazei aqui o menino.’ E levaram-lhe o menino. Quando o espírito viu Jesus, sacudiu violentamente o menino, que caiu no chão e começou a rolar e a espumar pela boca. Jesus perguntou ao pai: ‘Desde quando ele está assim?’ O pai respondeu:’Desde criança. E muitas vezes, o espírito já o lançou no fogo e na água para matá-lo. Se podes fazer alguma coisa, tem piedade de nós e ajuda-nos.’ Jesus disse:’Se podes!… Tudo é possível para quem tem fé.’ O pai do menino disse em alta voz: ‘Eu tenho fé, mas ajuda a minha falta de fé.’ Jesus viu que a multidão acorria para junto dele. Então ordenou ao espírito impuro: ‘Espírito mudo e surdo, eu te ordeno que saias do menino e nunca mais entres nele.’ O espírito sacudiu o menino com violência, deu um grito e saiu. O menino ficou como morto, e por isso todos diziam:’Ele morreu!’ Mas Jesus pegou a mão do menino, levantou-o e o menino ficou de pé. Depois que Jesus entrou em casa, os discípulos lhe perguntaram a sós: ‘Por que nós não conseguimos expulsar o espírito?’ Jesus respondeu: ‘Essa espécie de demônios não pode ser expulsa de nenhum modo, a não ser pela oração.’ E todos nós sabemos que a oração é primordial em todos os casos e por isso mesmo Beata Catarina Troiani rezava todos os dias e comungava para que pudesse ter forças para enfrentar todos os desafios que surgissem no momento oportuno e por mais que passasse por muitas atribulações ela jamais desistia ou perdia a fé. Os caminhos nem sempre eram fáceis, mas ela nunca se sentia sozinha e sabia que Cristo estava sempre a sua frente guiando seus caminhos e direcionando sua vida em missão.

Madre Catarina Troiani