“Está não é minha família, mas a vossa. Pense nela porque eu não tenho o que dar de comer àquelas criaturinhas”.

“Está não é minha família, mas a vossa. Pense nela porque eu não tenho o que dar de comer àquelas criaturinhas”.

Logo depois, Jesus mandou os discípulos entrar na barca e ir na frente dele para a outra margem. Enquanto isso, ele ia despedindo as multidões. Tendo-as despedido, subiu ao monte para rezar na solidão. Ao anoitecer, estava ali sozinho. Entretanto, a barca, que já estava a vários estádios da terra firme, era agitada por fortes ondas, pois o vento era contrário. Na quarta vigília da noite, Jesus foi ao encontro deles caminhando sobre as águas. Os discípulos, quando o viram caminhando sobre as águas, assustaram-se e diziam: “É um fantasma!” E gritavam de medo. Mas logo Jesus lhes disse: “Tende confiança, sou eu. Não tenhais medo!” Então respondeu-lhe Pedro: “Senhor, se és tu, manda que eu vá sobre as águas até junto de ti!” “Vem!” disse Jesus. Pedro saltou da barca e, caminhando sobre as águas, foi ao encontro de Jesus. Mas, sentindo a força do vento, ficou com medo e, começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!” Jesus imediatamente estendeu a mão, segurou-o e disse-lhe: “Homem fraco na fé, por que duvidaste?” Assim que subiram na barca, o vento se acalmou. Então os que estavam na barca se prostraram diante de Jesus, dizendo: “Efetivamente, tu és o filho de Deus!”  Beata Catarina Troiani sabia que o mais importante era chegar o momento final e se sentir preparada para partir e viver com Deus. Por isso ela se fortalecia fazendo o bem e comungando diariamente para que quando chegasse sua hora de partir ela tivesse apenas fé e obras boas para apresentar quando Deus a chamasse e por isso sua alegria era constante e seu amor pelos irmãos era imenso. Pois ela fazia o bem, espalhava a paz, tentava salvar todas as crianças para Deus, mas nunca se descuidava de orar, comungar e viver para Deus.