Estamos desidratados de Deus – e desidratação mata

A esperança, a confiança e a alegria são virtudes que devemos cultivar, mesmo nos momentos de aflição. Temos que compreender que na vida nós estamos numa caminhada, e o ponto de partida para todos é compreender que as tribulações não podem ser compreendidas como castigo ou algo que nos atrapalha.

Todos nós, mais dia menos dia, passamos por tribulações e provações, porque elas fazem parte de nossa contingência humana. Mas devemos nos lembrar sempre, aconteça o que acontecer, venha o que vier, nós temos a segurança que é Deus. Essa atitude e certeza são muito importantes e fazem a diferença quando, após ter um dia repleto de problemas, conseguimos dormir em paz e, ao acordar na manhã seguinte, louvar a Deus pelo dom da vida.

É preciso que saibamos que enfrentar um problema seríssimo ou não ter nenhum problema, não significa que estamos mais perto ou mais longe de Deus. O discípulo precisa ser formado e provado. Quem ama quer, constantemente, provas de amor. O castigo de Deus não é um castigo para nos aniquilar ou fazer o mal, mas sim para nos formar e educar. Na escola de Jesus temos as tribulações e provações como pedagogia, mas tudo isso por amor. Nós temos que compreender que estamos na pedagogia da cruz, o sofrimento nos ajuda.

Olhamos para o esvaziamento de Jesus na cruz e nos perguntamos: Por que Deus não fez nada? Por que Ele não tirou Seu Filho da cruz? Isso é a sabedoria de Deus. Ninguém gosta de sofrer e nem deve pedir ou buscar o sofrimento, pois não precisa, ele vem mesmo que não queiramos. O que pode acontecer é que Deus, em certos momentos quando estamos frágeis, nos poupa, e quando estamos mais fortes ele permite as provações. Por isso, devemos vê-las como algo positivo, porque em Deus elas podem ser transformadas em algo bom. Não podemos deixar nossa alma com fome e sede de Deus.

Estamos desidratados de Deus e nós sabemos que a desidratação mata. Devemos nos alimentar de Deus, e esse alimento, por excelência, é a Palavra e a Eucaristia. Jesus é presença real na Eucaristia! Jesus é presença viva na Palavra! Essas definições são importantes, porque se é viva, eu posso me alimentar, eu posso buscar.

Filhos e filhas, é questão de fé, alimentada pela Eucaristia, pela oração, pela leitura diária da Palavra de Deus. Assim estaremos sempre alimentados de Deus e não deixamos nosso espírito ter fome, e a nossa fé provada produzirá a paciência e a esperança.

Por Pe. Reginaldo Manzotti, via Aleteia