Os sete pecados mortais: quando satanás revela seus métodos de tentação

shutterstock-319260986

Meus queridos demônios, vocês estão fazendo um estágio sobre tentação, eu os felicito por isso, é “ca-pi-tal”. Vão testar as minhas sete mais belas invenções. Vou lhe dar alguns conselhos a partir de uma longa experiência.

As regras de ouro a respeitar

Você se beneficia de um dos meus grandes sucessos das últimas décadas: há muitos livros – e alguns são muito bons – sobre confissão, mas quase nenhum sobre pecado… O essencial, meus amigos, é sempre confiar na necessidade de conforto e segurança que está escondida em todos. O homem está relutante em mudar radicalmente (especialmente nas férias!). A coisa a temer são os discípulos do Outro que se questionam constantemente. O meu prazer? Essas “pessoas honestas” que pensam que tudo está bem em suas vidas, em seus casais, com seus filhos e, portanto, que só têm que viver de suas conquistas. Que continuem satisfeitos com a sua mediocridade…

Outra regra de ouro: Sejam meticulosos! Uma vez definida, é difícil mudar uma dobra. “Você é um verdadeiro raio de sol”, diz a mãe à sua filhinha, mas faça com que ela nunca adicione: “Você sabe, na vida, às vezes você fica triste ou com raiva. Nós lhe amaremos da mesma forma se você chorar ou ficar com raiva.” A menina vai acreditar que ela só pode ser amada com um sorriso no rosto, e terá orgulho em nunca admitir suas fraquezas.

Não se esqueçam dos padres

Trabalhem a longo prazo também. Não se esqueçam do ditado: “Têm de dar tempo a Satanás”. Pode levar anos para levar uma pessoa casada à infidelidade. Lembrem-se que nada se ganha, e que o Outro tem uma arma fatal contra nós: “SOS Misericórdia”.

Não negligenciem os padres também. Inspirem-os com homilias muito gerais que fazem dormir ou fazem sentir culpados… Mas se um deles propõe formas concretas de combater as tentações, então reajam! Façam com que ele sinta que está perdendo o crédito de seu público para que receba menos parabéns… e retorne à sua velha pregação abstrata.

Nunca subestimem o Outro

Mesmo que sintam que estão a ganhar, não se esqueçam que o Outro é realmente muito forte. Ele até se aproveita do pecado para salvar os pecadores. Sim, cuidado: o pecado pode nos desmascarar! Pode ser uma revelação. Então, tenham certeza de que o pecador seja assimilado ao seu pecado. Ele esquecerá que um homem nunca se reduz ao seu ato, por mais abominável que seja, e acreditará que está condenado ao mal, ha ha ha ha!

Finalmente, de vez em quando, recuem um pouco. Esperem. O homem imagina que, menos tentado, menos agitado, se torna mais santo. Ele esta a relaxar. Então observem os defeitos da sua defensa, os pontos sobre os quais ele faz menos esforço: mentiras, preguiça, etc. Depois atacarão com mais precisão. Vou falar sobre isso nos meus próximos posts (em breve na Aleteia).

Por Padre Pascal Ide et Luc Adrian (Inspirado pelas Cartas do inferno de C. S. Lewis), via Aleteia

X