“Também nestes dias recorri ao meu tesoureiro de sempre, o glorioso São José, dizendo-lhe: lembrai-vos que está não é minha, mas vossa família, pensai por ela”!

“Também nestes dias recorri ao meu tesoureiro de sempre, o glorioso São José, dizendo-lhe: lembrai-vos que está não é minha, mas vossa família, pensai por ela”!

Evangelho – Mc 3,7-12

Jesus se retirou para a beira do mar, junto com seus discípulos. Muita gente da Galiléia o seguia. E também muita gente da Judéia, de Jerusalém, da Iduméia, do outro lado do Jordão,
dos territórios de Tiro e Sidônia, foi até Jesus, porque tinham ouvido falar de tudo o que ele fazia. Então Jesus pediu aos discípulos que lhe providenciassem uma barca, por causa da multidão, para que não o comprimisse. Com efeito, Jesus tinha curado muitas pessoas,
e todos os que sofriam de algum mal jogavam-se sobre ele para tocá-lo. Vendo Jesus, os espíritos maus caíam a seus pés, gritando: ‘Tu és o Filho de Deus!’ Mas Jesus ordenava severamente para não dizerem quem ele era.

Beata Catarina Troiani não precisava dizer que era esposa do Cristo nu crucificado para perceberem o quanto ela espalhava a paz e o bem por onde andava. Ela tinha o Cristo vivo dentro de seu coração e a comunhão diária fortalecia cada dia mais seu espírito, pois sabemos que quanto mais andamos no caminho reto, mas somos tentados pela maldade para que nos afastemos e quando estamos fortalecidos pelo Espírito Santo nenhum mal pode tomar conta de nosso ser. Por isso, cada dia mais a missão de nossa Beata se espalhava por outros lugares e mais pessoas seguiam seus caminhos desejando salvar almas para Deus.