“Tudo por vós, meu Deus, quanto faço quanto digo e quanto penso, em cada respiração minha quero, meu Senhor, dar-vos a alma e consagrar- vos o coração”

“Tudo por vós, meu Deus, quanto faço quanto digo e quanto penso, em cada respiração minha quero, meu Senhor, dar-vos a alma e consagrar- vos o coração”

São Mateus 15,29-37

Jesus foi para as margens do mar da Galiléia, subiu a montanha, e sentou-se. Numerosas multidões aproximaram-se dele, levando consigo coxos, aleijados, cegos, mudos, e muitos outros doentes. Então os colocaram aos pés de Jesus. E ele os curou. O povo ficou admirado, quando viu os mudos falando, os aleijados sendo curados, os coxos andando e os cegos enxergando. E glorificaram o Deus de Israel. Jesus chamou seus discípulos e disse: ‘Tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que está comigo, e nada tem para comer. Não quero mandá-los embora com fome, para que não desmaiem pelo caminho.’ Os discípulos disseram: ‘Onde vamos buscar, neste deserto, tantos pães para saciar tão grande multidão?’ Jesus perguntou: ‘Quantos pães tendes?’ Eles responderam: ‘Sete, e alguns peixinhos’. E Jesus mandou que a multidão se sentasse pelo chão. Depois pegou os sete pães e os peixes, deu graças, partiu-os, e os dava aos discípulos, e os discípulos, às multidões. Todos comeram, e ficaram satisfeitos. e encheram sete cestos com os pedaços que sobraram.

Beata Catarina Troiani sabia que Cristo jamais deixaria sem resposta ou desamparado alguém que tem fome e sede do seu amor, pois o que primeiramente motiva Jesus a agir é a compaixão com os que sofrem, e isso nos mostra um aspecto muito importante da sua missão, que é a solidariedade com os mais pobres e necessitados. Beata Catarina Troiani viveu uma vida dedicada aos pobres e necessitados, mostrando também a todos nós que devemos estar atentos às necessidades dos nossos irmãos que sofrem. Ela jamais fechou os olhos ao irmão que sofria e sua prioridade era as crianças, pois elas eram mais indefesas e necessitavam de maior apoio e consolo.

X