“Viver sempre como irmã, escondida e esquecida de todos, conhecida só pelo Senhor.”

“Viver sempre como irmã, escondida e esquecida de todos, conhecida só pelo Senhor.”

“Quando Jesus entrou em Cafarnaum, chegou perto dele um centurião, suplicando: “Senhor, meu empregado está de cama lá em casa, com paralisia, sofrendo horrivelmente”. Respondeu-lhe Jesus: “Vou lá curá-lo”. Mas o centurião retrucou: “Senhor, não sou digno de que entreis em minha casa, mas dizei uma só palavra e meu empregado será salvo. Pois até eu, que sou apenas subalterno, tenho soldados a minha disposição e digo a um: ‘Vai’, e ele vai; e a outro: ‘Vem’, e ele vem; e a meu empregado: ‘Faze isso’, e ele o faz”. Ouvindo tal resposta, Jesus ficou admirado e disse aos que o seguiam: “Na verdade vos digo que em Israel não encontrei em ninguém uma fé tão grande assim. Pois eu vos digo que muita gente virá do Oriente e do Ocidente para se sentar à mesa com Abraão, Isaac e Jacó no Reino dos Céus.”

Beata Catarina quando finalmente chegou o dia de iniciar sua missão colocou nas mãos do Pai Eterno e foi dizendo que seria  feita a vossa vontade, meu sonho de outrora vai se realizar, unida a Cristo que é tua Palavra aos pobres, aos ricos teu Reino implantar. Missionária ardorosa na fé, enviada para anunciar aos pequenos, aos grandes, a todos, o Evangelho de Cristo espalhar. Mãe que vai ao encontro dos filhos, despojada dos bens materiais E nas terras do Egito ela chega plena e rica dos bens imortais. E na pátria do Grão Faraó Catarina entrevista o sultão Desafiar preconceitos do povo é linguagem de todo cristão.

Sempre atenta à vontade de Deus, recorrendo ao Divino Ternário, não temendo a verdade dizer, é o Carisma, é o Dom missionário. A serviço do povo de Deus, defensora da escravizada. As pupilas, queridas mouretas, sua presença materna guardava.